No dia 14 de dezembro, celebramos o dia de João de Yepes, conhecido como São João da Cruz, Doutor Místico da Igreja. Foi pregador, escritor e poeta e muito nos ensinou e ensina com sua vida. Conheça algumas curiosidades deste grande santo:

Nome

Ao ser ordenado trocou seu nome para João da Cruz, pois desejava se aproximar dos sofrimentos da cruz de Cristo.

Doutor da Igreja

O espírito de sacrifício, o fugir das glórias humanas, a busca da humildade, a oração profunda e o conhecimento da Palavra de Deus renderam a São João da Cruz vários escritos de grande profundidade teológica e sabedoria divina. Dentre eles, destacam-se os livros: Cântico Espiritual, Subida do Carmelo e Noite Escura. Por isso, ele foi aclamado Doutor da Igreja, equiparado a Santa Tereza de Ávila, também Doutora. Deixou uma grande obra escrita, que é lida, estudada e seguida até hoje por religiosos e leigos.

Três pedidos

Os biógrafos de São João da Cruz relatam que ele sempre fazia três pedidos a Deus. Primeiro, que ele tivesse forças para sofrer e trabalhar muito. Segundo que ele não saísse deste mundo estando no cargo de superior de nenhuma comunidade. E, terceiro, que ele tivesse a graça de morrer humilhado e desprezado por todos, como aconteceu com Jesus. Isto fazia parte de sua mística: igualar-se ao máximo a Jesus no momento de sua paixão.

Seu apelido, para Santa Teresa, era Sêneca

Teresa de Jesus chamava-o de seu pequeno Sêneca, brincava amavelmente com a sua baixa estatura apelidando-o de meio homem, mas não hesitava em considerá-lo o pai de sua alma, afirmando também que não era possível discorrer com ele sobre Deus sem vê-lo em êxtase.

Resumia seu ideal de vida em 3 conselhos

“Não faça coisa alguma, nem diga palavra alguma, que Cristo não faria ou não diria se encontrasse nas mesmas circunstâncias de você, e tivesse a mesma saúde e idade suas. ”

“Nada peça a não ser a cruz, e precisamente sem consolação, pois isso é perfeito. ”

“Renuncie aos seus desejos e encontrará o que o seu coração deseja. ”

Considerado o Santo do Amor

São João da Cruz é o grande santo do amor. Prova disso, por exemplo, são o Cântico Espiritual e a Chama Viva de Amor, duas obras inestimáveis que nos falam, em tons apaixonados, da caridade infinita que Deus, tão sedento de união, tem por cada um de nós.

A renúncia que nos ensina não é mal-humorada

A renúncia de que nos fala o Doutor Místico, apesar de nos direcionar aos sofrimentos da cruz, nada tem de pessimista e “mal-humorada”; é antes a única resposta possível de quem realmente ama e vê o seu Amado de braços abertos. Um Amado que nos quer livres das amarras de amores falsos e mesquinhos.

Recorramos hoje a intercessão de São João da Cruz e, a seu exemplo, empenhemo-nos ainda mais, abrindo mão dos afetos mundanos, para chegar bem preparados à noite de Natal e para conseguirmos, assim como nos orienta “Dar tudo pelo Tudo”.

São João da Cruz, rogai por nós!

Deixe seu comentário

Post relacionados